Permissividade – Não Confunda Com Amor por Lécio Nogueira

O tema é polêmico. Alguns pais vão discordar; outros se identificar, mas a intenção é levantar a discussão. Talvez a principal dificuldade enfrentada por profissionais da educação hoje em dia é a falta de comprometimento dos adolescentes com os estudos. E aí, em muitos casos, em função da permissividade dos pais.
A competição que se estabeleceu entre a escola e as ‘tentações’ modernas são desumanas, afinal, internet, Orkut, festas e a precocidade com que os jovens começam seus relacionamentos é desleal. Com certeza os prazeres e “os falsos prazeres” estão à disposição da moçada cada vez mais cedo, então a dedicação aos estudos virou castigo.
Coitado do professor… se antes respeitado e muitas vezes idolatrado por alunos, hoje em alguns casos virou um tremendo  chato. Não é por acaso que cada vez menos encontramos professores felizes e realizados com sua profissão. Nós professores de verdade, só nos realizamos quando cumprimos nossa missão de compartilhar e dividir nosso conhecimento com os alunos. Quando saímos de uma sala com a sensação maravilhosa de ter feito a diferença na vida de um ser humano, de um amigo, aí sim, temos a certeza de que valeu muito a pena.
Aí vai a pergunta: por que alguns jovens têm se tornado tão donos da verdade? Por que alguns pais acham que poder de questionamento (que é altamente louvável) SIGNIFICA DAR DIREITOS ILIMITADOS A GAROTOS QUE SEQUER SABEM COM CLAREZA DISTINGUIR ENTRE O CERTO E O ERRADO? Apatia, desinteresse, indisciplina e desrespeito ao próximo são valores aprendidos em casa e o que acontece em sala de aula é uma extensão do que acontece dentro de casa.
Hoje alguns pais, que apesar de minoria vem crescendo fortemente, dão razão exagerada aos excessos cometidos pelos filhos. Enchem a moçada de poderes e direitos, acobertam insistentemente os erros dos garotos, prometem pela vigésima nona vez que no próximo deslize vão cortar a mesada e duas horas depois liberam carro e dinheiro para aquela festa no sítio ou balada… Aí no dia seguinte, o pobre do professor pede silêncio para a turma e leva uma sonora gargalhada desses jovens acostumados a ter direitos ilimitados, que não têm a menor noção de seus deveres, e, que, com certeza, serão apoiados em casa, afinal tem pai que confunde amar seu filho com apoio incondicional independente de seus atos.
Pois bem, agora vai uma dica, fruto de 18 anos de sala de aula, consequencia de um contato com mais de 10.000 alunos. AMAR É IMPOR LIMITES. AMAR É CONVERSAR SEMPRE COM SEU FILHO. AMAR É EXIGIR RESPEITO A UM MÍNIMO DE REGRAS. Porém, não descuide da vida escolar de seu filho. Conheça de perto seus amigos, mostre a ele que dá para ser feliz usando racionalmente a internet e indo a festas de vez em quando. O que nossos filhos não podem esquecer é que escola é fundamental e que estudo é necessário para que obtenham sucesso tanto na vida pessoal, quanto na profissional.
Eu acredito que pais e professores juntos possam ensinar aos nossos jovens que, felizmente, a vida nos impõe alguns deveres, mas que, em contrapartida, nos oferece vários direitos.
Pensem nisso: IMPOR LIMITES É TAMBÉM UMA GRANDE PROVA DE AMOR.
Abraços e coragem. Você não vai se arrepender.

Por Lécio Nogueira – Professor e Diretor da Rede Anglo de Ensino – Pará de Minas.

Esta entrada foi publicada em Colunistas Voluntários, Manchetes. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>